segunda-feira, 25 de junho de 2012

Eu vivo: Entrevistando Carlos Giannazi

Meeeeeus amores, todos bem?  Como prometido no último post do Eu Vivo que ficou gigantesco, vim trazer alguns trechos da entrevista feita pelo Jornal Metro de São Paulo com um dos pré-candidatos à prefeitura. O 1ª deles, que saiu na edição de segunda-feira, dia 18 de junho é o Carlos Giannazi.


QUEM É CARLOS GIANNAZI
 

Idade: 50 anos.
Partido: Psol.
Nascido em: São Paulo, capital.
Família: Não informou.
É: Deputado estadual, eleito em 2006, com 50 mil votos.
Já foi: Vereador em São Paulo por dois mandatos seguidos, professor e diretor em escolas da rede pública de ensino.
Formação: Mestre em Educação e Doutor em História Econômica pela USP (Universidade de São Paulo).
História política: Iniciou a participação política em 1980 em movimentos populares na periferia da capital paulista. Participou das ações em defesa da educação pública. Ajudou na formação da base petista em bairros da zona sul de São Paulo.
Eleições já disputadas: Para vereador e para deputado estadual.
Principais metas, se eleito prefeito de São Paulo: Investimento em educação pública, no magistério, transporte sobre trilhos e ampliação dos corredores de ônibus. Adotar uma política para ciclovias e resgatar o sistema de saúde do município e instituir eleição direta para as 31 subprefeituras, que contarão com orçamento e planejamento participativo.
O senhor foi diretor de escola municipal. Quais suas propostas para a área da educação?
A educação vai ser o carrochefe da nossa campanha. Defendemos um grande choque de investimento. Vamos dobrar os salários dos servidores da educação e acabar com a superlotação de salas. Vamos focar no atendimento da demanda da educação infantil e de educação de jovens e adultos, áreas totalmente abandonadas pelo atual prefeito. Hoje, a cidade tem mais de 300 mil crianças fora das creches e da pré-escola.
Como reduzir o caos no trânsito e no transporte público?
A questão da mobilidade não tem muita mágica, tem que se fazer a lição de casa, investir em transporte sobre trilhos. São Paulo é uma cidade grande, como Londres, Paris e Nova York. Essas cidades resolveram parcialmente o problema do trânsito investindo em transporte sobre trilhos. Temos que aumentar a malha ferroviária. 
Mas o metrô é do Estado.
Sim, mas a prefeitura pode também investir, fazer convênios, parcerias.
Então o senhor buscaria verba federal para ampliar o metrô?
Federal, estadual e até empréstimos internacionais. Transporte é um problema crônico, que deve ser resolvido imediatamente. Temos propostas para até aumentar a arrecadação e investir nessa área. Uma delas é converter parte da dívida municipal, que é de R$ 40 bilhões, em investimento direto no metrô. Vou buscar o governo federal e propor esse modelo de pagamento. 
Eleito, o senhor concentrará suas ações em toda cidade ou dará prioridade às regiões mais carentes da capital?
Eu faria uma inversão de prioridades do ponto de vista do orçamento da cidade. Eu atacaria a pobreza e a miséria existente na maioria das regiões. Isso pode ser feito com o Orçamento e dando prioridade para quem de fato precisa.
O modelo atual está invertido?
Totalmente. Hoje você não tem, por exemplo, na área de cultura, casas de cultura e bibliotecas na periferias. Aliás não tem em lugar nenhum. Você vai a Perdizes e não tem biblioteca municipal. Santo Amaro, que tem quase 3 milhões de habitantes, só tem uma biblioteca pública de peso.
Para ver a entrevista na íntegra ou se você mora em outra cidade e quer ler a entrevista do candidato a prefeito da sua cidade, acesse: http://publimetro.band.com.br/
O que acharam dele? Comentem :-)
Por hoje é só. Beijoo ;*



domingo, 24 de junho de 2012

Eu vivo: Eleições \õ/

Olá leitores leeeemdos! Como estão? Eu tô ótima, passando por vários problemas, mas com Jesus no coração nada me para, yeah! Graças ao bom Jesus só falta essa semana de provas #todoschora e FÉRIAS VACATION VACACIONES \Õ/ \Õ/ \Õ/ THANKS GOD *--------------------* surtando em 3, 2, 1...

Ok, voltando ao estado normal. Sério gente, nunca desejei tanto as férias nessa vida! Vou postar bagaramba aqui no blog, ler bagaramba, sair bagaramba, e dormir bagaramba. Meu Deus como eu vou dormir! E ainda vai rolar Brasília daqui a 24 dias pessoal *-*


Whatever, o post não é sobre isso. É sobre política. Sei que 95% da população do nosso país ODEIA política com todas as suas forças, ODEIA os políticos e blábláblá aquele papo que todos sabemos. Mas às vezes, a pessoa nem sabe o que é política e já fala que odeia.

De acordo com o minidicionário Aurélio, política é:
1. Conjunto dos fenômenos e das práticas relativos ao Estado ou a uma sociedade.
2. Arte e ciência de bem governar, de cuidar dos negócios públicos.
3. Qualquer modalidade do exercicío da política (2).
4. Habilidade no trato das relações humanas.
5. Modo acertado de conduzir uma negociação; estratégia.

Pronto, povo brasileiro, essa é a política. Política, esse é o povo brasileiro. Prestou atenção nos significados 1 e 2? Eles mostram que política não é só o que os caras lá de Brasília teoricamente fazem. Mas também é o que nós fazemos quando ligamos pro Procon pra reclamar de um produto. É o que nós fazemos quando chamamos o gerente do McDonalds pra falar que entregaram nosso lanche errado É o que fazemos quando perguntamos pra nossa mãe porque nós temos que comer o brocólis se o nosso pai deixa a cenoura de lado na hora do jantar. Isso é política. Nós participamos dela todos os dias e nem percebemos. E ainda dizemos que a odiamos e blábláblá.

Quando eu tinha uns 10 anos, sempre falava pros professores: "Eu só vou votar quando tiver 18 anos, porque vai ser obrigatório e eu não quero ser presa". Ingenuidade a minha de pensar que nesse país quando não se vota você é preso ._. Whatever, eu cresci e percebi o quão idiota era a minha opinião. Enquanto eu assistia o Jornal Nacional e ficava reclamando das merdas que os políticos faziam no Senado, eles estavam lá, rindo da minha cara e jogando o suado dinheiro dos meus pais pro alto.

É por isso que esse ano eu tirei o meu título de eleitor e vou votar pro prefeito e o vereador da minha cidade. Porque, mesmo muitas pessoas mais velhas me dizendo que o Brasil não tem mais jeito, eu acredito sim que o meu voto pode fazer a diferença. O que eu não tô a fim de fazer é ficar de braços cruzados esperando os políticos mudarem a mentalidade corrupta deles pra que eles façam algo de bom.

Minha mãe pega quase todos os dias o jornal Metro (aquele que distribuem no farol) e eu leio quase sempre. Toda segunda-feira o jornal está publicando uma entrevista com um dos candidatos à prefeitura respectiva da cidade onde ele é publicado. Isso é super bom, porque uma das coisas que se deve fazer antes de votar é pesquisar o passado político do candidato, saber suas propostas e também saber quem ele leva junto pro Congresso.#fikdik

Entonces, toda semana vou trazer alguns trechos dessas entrevistas pra que a mente de vocês, queridos leitores, possa ser aberta em relação a política. Também trarei algo sobre os candidatos a vereadores e outras cositchas más sobre as eleições. Tentarei trazer o máximo de informações possível. A união faz a força pessoal!

As eleições acontecerão dia 7 de outubro para escolher prefeito e veredores das cidades de todo Brasil. Para mais informações sobre a sua zona eleitoral e tudo mais, acesse o site do Tribunal Superior Eleitoral. Bora votar galerê?

E aê, curtiram o post? O que vocês têm a dizer sobre a política, sobre as eleições? Soltem o verbo lindezos, comentem (:

Por hoje é só. Beijoo ;*

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Inverno


Qual é o seu tempo? Essa foi a pergunta que a Bpa. Lúcia fez ontem no ínicio de sua pregação. Ela disse que responderia durante a palavra e nós entenderíamos esse questionamento. Bem, ela pregou (muito bem, por sinal) e eu percebi que estava passando pelo Inverno.

Comecei a meditar nessa palavra. Inverno... Nada cresce, as flores e os frutos estão tímidos, escondidos dentro dos galhos. É frio, as pessoas procuram por algo ou alguém que as esquentem, que façam tudo aquilo parecer algo bom, muitas vezes sem sucesso.

Percebi que o meu inverno durou muito tempo. Foram muitas dificuldades, muitas lágrimas. Notei que o meu livro dos sonhos estava parado. Tudo aquilo que eu havia planejado no ínicio do ano, do nada, parou de ter importância na minha vida. Aquilo que eu sempre disse pra todo mundo "Vai lá, corre atrás dos seus sonhos", eu não estava fazendo. Me tornei mais hipócrita do que já era por natureza humana.

Por causa da rotina, todos os meus sonhos se esconderam em algum canto do meu coração no qual eu não conseguia enxergá-los nem ouvi-los. Tive que tomar uma decisão e escolhi viver por viver. Entretanto, ontem resolvi seguir outra direção.

Decidi parar de me preocupar com coisas naturais, pois sei que Deus vai tratar disso pra mim. Decidi parar de complicar aquilo que já é bom, perfeito e agradável. Decidi parar de me importar de verdade com comentários que têm o poder de estragar a minha alegria e as minha noites de sono. Decidi confiar em Deus com todas as minhas forças, segurar nas mãos dEle e nunca mais soltar e parar de achar que fazer o contrário pode ser uma opção por causa de erros humanos.

Concluí que, às vezes, o inverno está apenas na nossa mente e se abrirmos os nossos olhos espirituais, vamos ver as flores nascendo, sentir o calor do Sol no nosso corpo e os frutos suculentos caindo das árvores. Poderemos permitir a nós mesmo sermos podados, para que coisas boas se tornem ainda melhores.

Qual é o seu tempo? O meu eu já sei qual é.

PS: Queridos e amados leitores do blog, mil perdões pela falta de posts. Não, não é porque eu estou muito e ocupada e blábláblá aquela história que vocês conhecem. É a falta de inspiração mesmo. Nada de interessante anda acontecendo na minha vida e estou muito desinteressada no que acontece por aí pra dar dicas e záz. Whatever, espero que minha inspiração volte a funcionar depois desse texto.Obrigada pela paciência seu lemdos, I love you ;*****