quarta-feira, 29 de maio de 2013

VHS? Sim, VHS com orgulho!

Hey gentes leemdas! Como estão? Eu dei essa sumida básica devido a semana cultural na minha escola e ao nosso simulado. Não fui muito bem em nenhuma das coisas já que estou muito relaxada e meio que dizendo um dane-se pra tudo. Mas eu sei que não posso fazer isso agora, estou fazendo de tudo pra me organizar de vez e fazer logo o que eu estou planejando desde o início do ano.
 
Não foi pra isso que vim aqui hoje, certo? Certo. Desde o meio do ano passado, minha professora de redação (Jussane, sua lemda s2) tem feito um projeto na escola: Tardes de Cineminha, que tem o objetivo de mostrar filmes, clássicos ou não, que tenham algo de muito bom.
 
É através desse projeto que estou descobrindo o quanto eu sou apaixonada por cinema e também quais são meus verdadeiros filmes prediletos. No início do mês, quando assistimos Carrie, a Estranha (vai sair resenha desse também, wait for it!), me dei conta que não havia falado sobre nenhum dos filmes que vi nessas tardes. E fiquei inconformada. Tão inconformada que falarei sobre todos os que eu gostei aqui. E o primeiro será Rebobine, Por favor.


O filme conta a história de Sr. Fletcher (Danny Glover), dono da locadora Be Kind Rewind que está aos trapos, tanto que ele não tem dinheiro nem pra fazer as reformas no antigo prédio, necessárias para que ele não tenha que sair dali para a construção de um condomínio. Por causa disso, ele vai até a cidade grande para entender como funciona o novo esquema de venda de filmes: DVDs, e não fitas VHS.

 
Enquanto está fora, deixa Mike (Mos Def), seu ajudante, cuidando da loja. Mas acidentalmente, seu amigo Jerry (Jack Black), por estar magnetizando, acaba destruindo as fitas da locadora. Eles decidem refazer os filmes (suecagem) a sua própria maneira e a cidade acaba gostando muito. Eles se tornam meio que mini astros.
 
O diretor e roteirista Michel Gondry, através desse filme, fez uma homenagem aos clássicos cinematográficos da década de 80 e também as fitas VHS.


Amei o filme, porque além de ter o Jack Black atuando, é super fofo. Ver o quanto Mike e Jerry amavam aquela locadora e os seus filmes é realmente lindo. Sem falar que eles foram super criativos no processo de suecagem dos filmes. Deixaram um grande legado ao mundo, já que suecar filmes se tornou algo super normal.
 
Além de ser lindo/engraçado/fofo, o filme ainda mostra as músicas de Fats Waller, alguém de quem eu nunca ouviria falar se não fosse o filme. Essa é uma das músicas que aparece no filme e que eu gostei bastante:
 
 
Quem já assistiu, o que achou? Curtiram as versões suecadas dos filmes? Achei a do Robocop demais! E as músicas do Fats Waller, vocês conheciam? Comentem :)
 
Por hoje é só. Beioo ;*

terça-feira, 14 de maio de 2013

Nothing is impossible: Yentl

Hello galerinhas! Todos bem? Eu tô ótima, apenas desejando que a escola acabe logo, mas ao mesmo tempo, implorando pra que ela dure pra sempre. Enfim, vim falar de MAIS um filme incrível que assisti na aula de Inglês: Yentl, que foi baseado no livro Yentl, the Yeshiva Boy, de Isaac Bashevis Singer.
 

O filme conta a história de Yentl, uma mulher que morava com o pai (Nehemiah Persoff) numa comunidade judia. Na época, o conhecimento era proibido para as mulheres. Para os judeus, o "grande livro do conhecimento" era o Talmude, onde estavam as leis judaicas. Mas por não ter nenhum dom de dona-de-casa e por ser muito apaixonada pelo saber, Yentl tinha aulas escondida com seu pai, que também era rabino.

Quando o pai dela morre, Yentl resolve fazer uma loucura: corta os cabelos, passa a se vestir de homem, foge da aldeia e se inscreve numa Yeshiva, onde conhece Avigdor (Mandy Patinkin), por quem acaba se apaixonando e sentindo pela primeira vez coisas que nunca sentira antes.

O filme é estrelado e dirigido por ninguém mais ninguém menos que Barbra Streisand. Aliás, foi ela quem adaptou o roteiro. E foi ela quem escreveu e cantou todas as músicas do filme. Nada de mais, né não?

 
O filme é demais porque além de ter uma super cantora (agora sei porque ela é o ídolo da Rachel, fãs de Glee entenderão) no papel principal (e pelo visto, uma ótima atriz também), nos mostra como o conhecimento é importante. Foi lindo ver como alguém realmente apaixonado por algo enfrentou muita coisa para conquistá-lo, tendo até que abrir mão de coisas importantes.

Também foi bem legal porque nossa professora foi falando sobre as metáforas e a linguagem cinematográfica durante o filme. Reparem nas luzes em cima dos livros e em todos os rios e oceanos que a Yentl atravessa durante o filme.

Pra quem ficou curioso, esse é o trailer:


E pra quem quer sentir um gostinho da voz da Barbra, ouça uma das minhas músicas prediletas do filme, "Pappa, can you hear me?":

 
Incrível como a voz dela e a da Lea Michele são parecidas! Se vocês fecha os olhos, não dá pra perceber a diferença!

Quem já assistiu, gostou? Já entrou pra minha lista dos filmes tops ever. Comentem :D

Por hoje é só. Beijoo ;*

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Sonzinho de segunda ♪

HEY galeras! Todos bem? Como passaram o dia das mães? Espero que tenha sido bom. Pra não perder o embalo de boas vibrações, aqui vai o nosso Sonzinho de segunda. Semana passada, postei o clipe do Ago. Acontece que tô tão viciada que resolvi colocar o CD inteiro pra vocês ouvirem e se apaixonarem pelas músicas dele como eu.


 
Já nem sei mais qual é a minha favorita. Não gosto das de amorzinho, mas enfim. Só sei que não consigo parar de ouvir. Pra quem curtiu e quer ouvir o dia inteiro como euzinha, baixem o CD aqui.
 
Quem curtiu? E que música vocês têm ouvido e não conseguem parar? Comentem :D
 
Por hoje é só. Beijoo ;*

sexta-feira, 10 de maio de 2013

SPFC: tá doendo, mas vai passar

 
Saibam que está sendo difícil de escrever esse texto. Mas é o jeito.
 
2005. O ano em que eu decidi ser são paulina de verdade, gostar de futebol de verdade, amar essa arte de verdade. E até 2008, vi o time mais lindo desse mundo, com suas três cores, ganharem o Brasil, a América e o Mundo. Sofri muito por causa de zoações, mas só de ver o Tricolor mais lindo jogando me esquecia disso tudo. Porque sentia orgulho de vestir essa camisa, de ir no Morumbi, de reservar 2 horas dos meus domingos só pra ouvir o Cléber Machado narrando os jogos.
 
E agora? Agora. Ainda é complicado definir o que estou sentindo. É uma pilha de emoções que as lágrimas ainda não conseguiram colocar totalmente pra fora. Se eu chorei ontem? Chorei. E só não chorei mais pra não ver minha mãe preocupada comigo.
 
Tristeza? Raiva? Humilhação? Não não, o nome dessa coisa é VERGONHA. Vergonha de ver um bando de marmanjo que não consegue enfiar uma bola no gol. Vergonha de um bando de marmanjo que passa a bola pro jogador adversário como se fosse da outra equipe. Vergonha de um bando de marmanjo que entra morto em campo. Vergonha de um bando de marmanjo que não joga com raça. Vergonha de um bando de marmanjo que não pensa no jogador mais importante do time, quiçá na torcida apaixonada. Vergonha de um técnico que não sabe fazer substituição. Vergonha de um velho gaga e  bêbado que manchou o manto sagrado de whisky escocês. É. Vergonha. Essa é a palavra.
 
E agora eu te pergunto Juvenal WHISKY Juvêncio: cadê aquele monte de dinheiro da venda do Lucas? MANO, para de se preocupar com a droga da galinhada e com a droga do estádio deles e olha pra bosta que o seu time tá. Olha pro nosso elenco, que só tem velho e criança. Olha pras cagadas que você tá fazendo. É certo isso?
 
E agora eu pergunto a vocês, jogadores do São Paulo: cadê a maturidade pra parar de ser expulso por causa de idiotices? Cadê a raça? Cadê a vontade? Já vi muito time por aí que não sabia nada de futebol, mas vencia porque acreditava, porque tentava e uma hora dava certo. Mas nem isso eu vejo mais.
 
Ano passado, vi o menino mais lindo do futebol brasileiro jogando já sabendo que estava vendido e que ia ganhar uma bolada. Quem disse que isso fazia diferença? Ele caía, levantava, tentava, roubava a bola e fazia o gol. E foi assim que nós ganhamos um campeonato ano passado.
 
É assim que vocês querem homenagear o #M1TO, que logo mais se aposentará? Essa nem foi a derrota numa Libertadores tão dolorosa. Sabe por que? Porque eu não vi vontade. Foi humilhante. E daí que o Atlético era superior tecnicamente? Eles também eram a 2 jogos atrás e nós vencemos.
 
Doeu muito ter que ouvir esse jogo e saber o quão apáticas estavam as pessoas no campo. Só acho que tá na hora de neguinho pôr a mão na consciência. Tá na hora dessa diretoria de bosta sair desse clube. Tá na hora de levantar e jogar futebol.
 
É São Paulo FUTEBOL Clube. Não São Paulo FuZzZzZzZ...
 
E espero chorar mais no ano que vem. Chorar a ponto de deixar a cara inchada. Mas chorar porque nós conquistamos a América pela quarta vez.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

O filme mais esperado do ano!

Hello minha gente! Todos bem? Eu tô naquelas, super estressada com todos os 3879324636 de trabalhos da escola e mal pela derrota humilhante do meu time hoje. Logo mais sairá texto sobre isso, assim que eu me recuperar do baque e a ficha cair de verdade. Mas nem tudo são horrores. Vim falar sobre o filme mais esperado de 2013: Homem de Ferro 3.


Antes de começar, contar-lhes-ei minha história de amorzinho pelos super heróis da Marvel. Nunca fui apegada a super-heróis. Mesmo quando criança, achava uma coisa tão idiota que não conseguia entender as crianças que acreditavam nisso (assim como as que acreditavam em papai noel, fada do dente e coelhinho da páscoa). Sério, nunca cheguei a acreditar nessas coisas. E só passei a odiar mais ainda os super-heróis quando estava aprendendo sobre as guerras e o Gaspar lindo the best professor de história ever nos contou que os super-heróis eram apenas uma estratégia americana para aliciar as crianças ao capitalismo (mostrar como o socialismo era "ruim" e o capitalismo, "bom"). Pra mim, o único que sempre se salvou foi o Homem-Aranha. Por que? Um nerd, excluído, tímido, só se dá mal e que mesmo assim ajuda as pessoas com um poder que nem se compara aos poderes do super-homem. Um lindo. Como não amar?

Essa era a imagem que eu tinha até julho do ano passado, quando fui assistir Os Vingadores com meu irmão. E até então, estou passando pela fase da minha infância perdida. GENTE, COMO POSSO NUNCA TER AMADO SÁSCOISAS? Claro, ainda não concordo com essa coisa ridícula dos americanos se acharem os bonzões, mas whatever. A verdade é que eu gosto dos filmes mesmo, já que a única HQ que eu tenho paciência pra ler é Turma da Mônica quando eu vou no dentista.

Desde então, assisti todos os filmes solo dos heróis dos Vingadores e tenho estado ansiosa desde sempre pra assistir o Homem de Ferro 3. Além de ele ser lemdo, é o meu 2º herói predileto e com certeza, o mais engraçado. Além do que o Robert Downey Jr. é uma ator incrível, deu vida ao herói de uma maneira que não se pode imaginar outra pessoa no papel.

Antes de irmos pra resenha em si, vejamos ó vídeo que eu gravei no cinema quando fui assistir (dia 05/05). Quem gravou foi meu querido irmão Leonardo:


Bem galeras, vamos direto ao ponto. O filme que talvez seja (é bem provável) o último solo do Homem de Ferro protagonizado pelo Downey Jr., é o terceiro da saga. Após ter passado por experiências um tanto quanto traumatizantes em Os Vingadores, Tony Stark percebe que o Universo onde vive é grande demais e ele não era tanto assim quanto sempre pensou. Como todos andam dizendo por aí, o filme mostra o lado mais humano do herói. O personagem principal não é o Homem de Ferro e sim o Tony Stark.

Também vemos nosso herói finalmente lutando por algo realmente importante: Pepper Pots (Gwyneth Paltrow), que nesse filme tem uma participação maior, tirando um pouco dos holofotes do melhor amigo de Tony,  James Rhodes (Don Cheadle) . O grande vilão da história? Mandarim (Ben Kingsley), um cara que deveria ser chinês, mas no filme o personagem foi adaptado para um terrorista do Oriente Médio. Esse é considerado o maior vilão do Ferroso, tipo o Curinga do Batman. E a história se desenvolve em cima disso.


Antes de dar minha opinião, já digo aos fãs lindo e maravilhosos: nunca li nenhuma HQ de super-heróis, portanto minha opinião é totalmente baseada no meu gosto cinematográfico e em tudo que eu pesquisei pela Internet nesse meio tempo. Não me xinguem, já que a opinião é minha e a de vocês pode ser totalmente diferente, combinado? Digo isso porque quase fizeram um barraco no facebook comigo por causa do que eu disse sobre o filme :(

Amei o filme. Foi beeeeem melhor que o segundo, que é bem fraco por sinal. O Tony amadurece depois de tudo que aconteceu em Nova York e foi bom ver essa mudança. Se é pra ser super-herói, que seja pra lutar por algo de bom. E é isso que ele faz. Os efeitos especiais também são muito bons. E a sacada que eles tiveram em relação ao vilão (o momento em que os fãs se sentiram trolados) foi muito boa, já que o grande motivo de eu amar muito o Homem de Ferro são as críticas que os filmes dele fazem ao sistema norte-americano.

Só não curti muito os homens de lava. Sei lá o porquê, mas eu não achei muito interessante. O grande problema desse filme são os erros no roteiro (a história das HQs é bem diferente, segundo todos os fãs que ouvi) e toda a especulação que fizeram em cima do filme e, principalmente, em cima do Mandarim. Você chega no cinema achando que ele é o super vilão mais zika de todos e sai de lá tipo: "Nossa, era só isso". Entendo a frustração de quem é fã mesmo. Mas a verdade é que nenhuma adaptação de livros/HQs pro cinema são 100% fiéis a história original. Quem já leu As Crônicas de Nárnia e o Príncipe Caspian e depois viu o filme sabe do que eu estou falando. Alguns diretores/roteirista viajam muito, outros nem tanto, mas fazer o que? :/


No todo, o filme é bom, muito bom. Quem assiste como uma criança que fica encantada com esse mundo de heróis, sai do cinema super feliz. Mas quem entra como fã, super empolgado com a realização de um sonho, sai de lá decepcionadíssimo. Sorry :/

Quem ficou com vontade assistir? E quem já viu, o que achou? Gostaram da trollada do Mandarim? Comentem :)

Por hoje é só. Beijoo ;*

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Lua Azul: uma decepção? Talvez

Buenas noches garerinha! Cá estou eu pra falar de mais um livro. Já tinha falado nesse post sobre a série Os Imortais. E agora, finalmente tive tempo e vontade pra fazer a resenha do 2 º livro: Lua Azul.


Na continuação, tudo finalmente está muito bem entre Ever e Damen. Love is in the air. Até que chega Roman, um garoto novo na escola, meio sinistro. E desde então, Damen começa a ficar doente. PORÉM, imortais não ficam doentes. E ele começa a esquecer de Ever. E é isso que te faz querer ler tudo.

Mais uma vez, a Alyson Noël foi esperta. Deixa um super mistério no livro e você só vai até o fim porque PRECISA saber o que acontece. Por que, na moral, esse livro não foi muito bom não. Além de ter um momento de pegação em todos os capítulos (totalmente desnecessário), a imaturidade e a obsessão de Ever ficam bem mais irritantes. Isso fez o livro perder muuuitos pontos comigo. Se é pra ser historinha de amor, que seja uma história de amor. Uma história bobona, de mulherzinha, que te faz suspirar. E não essa coisa de "não posso vê-lo olhando para as coxas daquela menina blá blá blá". Argh.

Além de tudo, não há quem leia o final e não diga: "MEU DEUS, ESSA MENINA É BURRA DEMAIS! SANTO DEUS, PORQUE?".

 
Mas o livro não é de todo ruim. Gostei porque pudemos adentrar mais no mundo do misticismo. É bem legal saber sobre o significado das pedras e de umas plantas, I liked. O bom disso tudo é que os capítulos e o livro são pequenos, o que faz a história passar bem rápido e você chega logo no fim. E outra coisa: a capa é leeeemda! Essa lua azul tá demais s2

Fiquei feliz com o fim, a Ever mereceu ser castigada pela sua imaturidade e burrice. Fiquei com vontade de saber o que acontecerá com o casal depois do que rolou no fim.

Darei mais essa chance a série. Mas se o próximo livro também não for tão bom quanto o primeiro, vou abandona-lá. Galera, eu ainda estou sendo bem legal. Procurem outras resenhas no Skoob. Os caras metem o pau nos livros. Enfim, ainda tenho esperanças de que as coisas melhorem. Quando eu conseguir o Terra de Sombras, postarei a resenha também e veremos se a Alyson merece mais uma chance.

Gostaram da dica aposto que não? Quem já leu, o que achou? Comentem :D

Por hoje é só. Beijoo ;*

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Project 365!

E aí galeras! Beleza? Cá estou eu pra postar as fotos atrasadas do Project 365. Nos últimos dias têm acontecido muuuuita coisa, a correria está grande, não encontro tempo nem mais pra fazer as unhas. Tá dando um trabalho do cão continuar com esse Projeto, mas eu não vou desistir :B Vamos as fotos:

Dia 103
Dia 104
Dia 105
Dia 106
Dia 107
Dia 108
Dia 109
Dia 110
Dia 111
Dia 112
Dia 113
Dia 114
Dia 115
Dia 116
Dia 117
Dia 118
Dia 119
Dia 120
Dia 121
Dia 122
Dia 123
Dia 124
Dia 125
 Não sabe o que é o Project 365? Leia esse post.

Por hoje é só. Beijoo ;*

Sonzinho de segunda ♪

Buenos dias gente linda! Todos bem? Comecemos segunda-feira da melhor maneira possível: com música.

A música Ei Jah! do dia é do primeiro CD do rapper Ago,  Não sou tãããão fã assim desse estilo, MÃÃÃÃS amodorei a música.


Sou um tanto quanto suspeita pra falar do Ago (sou amiga dele :P), mas enfim, a música é legal, I liked.

Por hoje é só. Beijoo ;*

sábado, 4 de maio de 2013

Fórum de Profissões 2013

Buenos días garerinha leeemda! Milagre de Deus eu aparecer no blog num sábado, já que é dia de fazer bolo/dar célula/ir pro Arena/dormir morrendo de cansaço. Mas achei um tempo pra postar uma coisa que já era pra estar aqui a umas 2 semanas.
 
 
Ano passado falei com vocês sobre o Fórum de Profissões nesse post. Pra quem não se lembra, é um evento que acontece na minha escola onde profissionais de diversas áreas vão pra lá conversar com a gente, pra nos ajudar a decidir o que faremos de nossas vidas depois da escola.

Em 2012 eu estava bem confusa, já não sabia mais o que fazer. Mas agora já me decidi. Vou fazer Jornalismo mermo. E se pá, farei Rádio e TV depois.

Dessa vez, eu gravei um vídeo com a entrevista. Infelizmente, ficou MUITO grande. Sei que só de olhar os 45 minutos ali na barra do YouTube já faz a pessoa ficar com vontade de morrer (ou por causa da preguiça ou por causa da lerdeza do PC). Mas pra quem se intressa pela coisa, ou está em dúvida, acho interessante assistir tudo (preguiça de não fazer nada no Facebook ninguém tem, né?)

Bem, ano passado, conversei com o pessoal de Jornalismo e também de Filosofia e Sociologia. Dessa vez, fiquei na sala onde estavam os profissionais de Rádio e TV, Cinema e Relações Públicas. Confiram o resultado:

 

Congratulations if you chegou até o fim do vídeo! Gostaram da entrevista? Dúvidas respondidas ou só confundi mais a mente de vocês? Já decidiram o que querem fazer da vida? Comentem tudo!
 
Por hoje é só. Beijoo ;*

sexta-feira, 3 de maio de 2013

2 anos de O estranho é ser normal \õ/


No dia 27/04 do ano de 2011, a 2 anos atrás, uma menina de 14 anos decidiu transformar seus sentimentos e tudo aquilo que ela gostava de falar, mas não tinha alguém para fazer isso, em palavras na tela de um computador.

Ela gostou da brincadeira e decidiu fazer aquilo sempre. Houve momentos em que ela pensou em desistir, já que suas responsabilidades do dia-a-dia eram muitas. Mas o amor pela escrita foi mais forte.

E no meio disso tudo, ela encontrou pessoas que pensavam as mesmas coisas que ela, que liam e assistiam as mesmas coisas que ela e que, principalmente: admiravam o que ela escrevia. Diziam o quanto ela era talentosa.

E apesar de os comentários e tudo o mais não serem muitos, ela decidiu continuar a fazer aquilo, porque era assim que ela se sentia bem. E como ela mesma dizia: "Os meus dedos dançam em cima do teclado".

E a alguns dias atrás, essa diversão completou 2 anos de vida.


Pessoal, juro que tentei vir aqui antes. As coisas estão realmente corridas por aqui. Tenho uns 4 trabalhos pra fazer e entregar nos próximos 2 meses e já estou ficando louca com tanta coisas pra pensar e pôr em prática. Mas não me esqueci dessa coisa linda aqui não.

Só tenho a agradecer a cada um de vocês. Gosto muito de enfatizar que meu objetivo em blogar não é fama, não é dinheiro, não é ver comentários. É me divertir. É pôr pra fora certas coisas. É fazer aquilo que eu amo desde sempre: escrever.

Obrigada de verdade a todos aqueles que me fazem vir aqui toda semana. Vocês são demais. Fazer aquilo que a gente ama já é lindo. Ver que tem gente que nós conhecemos e até mesmo que não conhecemos reconhecendo isso é sensacional. Obrigada por terem participado desses 2 anos de blog e que venham muitos outros pela frente.  Obrigada, obrigada, obrigada *--------------------*

Por hoje é só. Beijoo ;*