domingo, 28 de julho de 2013

" I don't see what anyone can see in anyone else but you"

Hey galeras! Como estão? XESUIS, QUASE UM MÊS SEM POSTAR AQUI! Sei que estou sumida. O caso é que estou trabalhando minha gente e, apesar de estar de férias da escola, quando chego em casa rola aquele soninho básico de quem acorda às 6 da manhã e aí fica difícil de postar. E quando tô bem acordada, lembro que tem ENEM em outubro e que TENHO que estudar. Por isso a escassez do blog. Espero que vocês entendam. Não pretendo largar o Estranho é Ser Normal tão cedo :)

Vocês sabem que estou conhecendo os filmes mais legais ever nas Tardes de Cinema da minha escola, né? Esse é um dos poucos motivos que me faz querer que as aulas voltem (4 dias de férias, socorro), estou ansiosa pra conhecer mais filmes.


Um dos filmes que eu assisti lá foi Juno. Já tinha ouvido muita coisa sobre o filme (a maioria proveniente da minha prima que ama esse filme mais que tudo), mas nunca tinha tido a curiosidade de assisti-lo. Conta a história de Juno (Ellen Page), uma menina de 16 anos que descobre que está grávida de seu amigo Paulie Bleeker (Michael Cera). Ela desiste de fazer o aborto e procura um casal para adotar a criança. Acaba encontrando Mark (Jason Bateman) e Vanessa Loring (Jennifer Garner), um jovem casal rico que quer muito ter um bebê. Com o apoio do pai (Mac MacGuf) e da madrasta (Bren MacGuff), Juno vai passando por situações que a levarão a ver a vida de outra maneira, acompanhando a mudança das estações do ano.


Amei várias coisas nesse filme. Uma das principais é o modo como Jason Reitman (diretor) e Diablo Cody (roteirista) conseguiram deixar um assunto que tão sério e complicado, engraçado e suave. Os atores trabalharam muito bem. Ellen Page arrasou, a Juno é muito engraçada e acho que ela conseguiu fazer direitinho a menina que não tá ligando pra nada e que curte rock.


A fotografia do filme é perfeita. Sim, filmes têm fotografia. Eu não sou especialista no assunto, mas a do Juno me transmite uma sensação de felicidade muito grande, uma sensação de bem-estar. E gente, o que falar da trilha sonora? Acho que foi a única coisa que eu consegui ouvir por umas 3 semanas. Tô até pensando em comprar o CD (sou do tipo que só compra CDs/DVDs só quando gosto MUITO, MUITO MESMO). As músicas me passam a mesma sensação da fotografia.


Ainda não se convenceu da qualidade do filme? Okay, ele só foi indicado para o BAFTA, Golden Globe Awards, National Board of Review, Screen Actors Guild Award, Independent Spirit Awards e Satellite Awards (ganhou pelo menos uma das indicações em cada prêmio). E ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original, além de ter recebido outras indicações. Tá bom pra você?

Aqui está o trailer fofíssimo:

  

Não deixem de ouvir "Anyone Else But You"!

 
O que acharam? Quem já assistiu, gostou? E essa trilha sonora, quem é fã? Comentem :D

Por hoje é só. Beijoo ;*

domingo, 7 de julho de 2013

Celebrações de Inverno 2013


Meu Deus, meu Deus. Meu coração tá batendo acelerado demais só de começar a escrever esse texto. Mas vamos lá.

A maioria das pessoas que estão comigo na Igreja não conhecem o meu testemunho de conversão. Eu sou meio fechada, me converti muito novinha e grande parte dos que estavam comigo no início da minha caminhada desistiram de Deus. Bem, aí vai.

Até conhecer Jesus, eu era muito tímida. MUITO. MUITO MESMO. Eu não conseguia falar com as pessoas. Quando entrei na pré-adolescência, passei a me sentir o ser humano mais feio da Terra. Eu me sentia muito mal por não ter muita carne em *pontos estratégicos* (entendedores entenderão). Eu não tinha amigos de verdade, vivia só. E me sentia mal por ter que ouvir as brigas dos meus pais, ter que ver meu pai chegando bêbado em casa, ter que ver minha mãe chorando, ter que fazer de tudo pelo meu irmão. Eu me sentia culpada. Eu queria morrer por me sentir a pessoa com a vida mais imperfeita do mundo.

Em novembro de 2007, me levaram pra Igreja. Eu já tinha ido quando era mais nova algumas vezes. Mas não conhecia o Arena Jovem. Não conhecia Jesus de verdade. Em fevereiro de 2008, fui a um encontro com Deus e, depois daquele dia, nunca mais minha vida foi a mesma. Eu decidi me entregar a Deus.

Hoje eu tenho muuuitos amigos. As pessoas me cumprimentam. Eu me sinto linda. Não bonita, mas linda. Meu pai se converteu e largou a bebida. Eu consigo conversar normalmente com as pessoas, sem medo do que elas pensam de mim. Eu oro. Eu leio a Bíblia. Eu sou líder.

Desde então, fui 4 vezes pra Brasília no meio do ano para viver a Celebrações de Inverno. Acontece que a coisa cresceu tanto que foi possível trazer o evento pra São Paulo. Eu estava lá. Infelizmente, não pude aproveitar totalmente já agora estou trabalhando (Deus, como é bom poder falar que tenho um trabalho, obrigada), mas no pouco tempo que estive lá, Deus falou muito comigo.

O que eu aprendi dessa vez? Eu não sou nada sem Deus. Onde eu estaria agora se não tivesse o conhecido? Muito provavelmente, teria entrado em depressão. E não tô falando de tristeza, tô falando da doença mesmo.

Tudo o que eu sei é que eu sou muito grata a Deus e a todas as pessoas que Ele colocou na minha vida para me ajudarem a não desistir dEle. Eu passei por muitas coisas difíceis e só venci tudo isso porque Ele me fortaleceu, apenas isso.

E hoje, mais do que nunca, eu tenho certeza que essa foi a melhor escolha que eu fiz na minha vida e não me arrependo nenhum pouco das coisas que eu abro mão por causa dEle. Eu sou feliz porque Ele me ama. Isso basta.

PS.: Parabéns Lu e Robson pelo diaconato. Vocês não têm ideia do quanto são importantes pra mim. Obrigada por me ensinarem todos os dias a ser uma atalaia de verdade na minha geração s2

PS 2.: MANO, TEVE SHOW DO LEX *--------------------*

PS 3.: Sim, eu estou trabalhando pra honra e glória do Senhor.

PS.: 4 Sim, é por isso que o blog estava desatualizado (foi por causa das provas também :P)

PS 5.: Jesus te ama mano!