domingo, 22 de junho de 2014

3 anos de O Estranho é Ser Normal!

Há exatos 3 anos, 1 mês e 26 dias horas minutos segundos milésimos, uma menina tímida, magricela e que gostava muito de ler resolveu criar um blog...


E hoje? Bem, ela continua magricela, um tanto quanto tímida (mentira gente, conheci um cara no ponto de ônibus e viramos amigos vlw flw) e gosta de tanto de ler que decidiu levar isso para sua profissão. O nome dela é Maria Tereza, mas ela prefere ser chamada só por um dos nomes ou de Mary Jane mesmo, afinal ela é a namorada OFICIAL do Homem-Aranha.

Coisas bonitas, primeiramente queria pedir desculpas por ter deixado o aniversário do blog ter passado tão despercebido. Cês sabem o quanto minha vida é corrida (trabalho, cursinho, ministério e um pouquinho de vida social), mas mesmo assim, atrasar em quase dois meses já é demais. Desculpa mesmo, falha minha.

Após minhas desculpas esfarrapadas, gostaria de agradecer imensamente a cada gatinho e gatinha que lê essa birosca aqui. Ultimamente as pessoas têm vindo me procurar pra me elogiar, pra dizer que escrevo bem, pra dizer que eu tenho talento, pra dizer que eu sou engraçada (!!!) e pra dizer que eu tô no caminho certo.

Há alguns anos atrás, eu era uma menina que não tinha amigos, não conseguia manter uma conversa de elevador e que chorava escondida por não se sentir bonita. Hoje eu sou serva de Deus, tenho amigos, aprendi a me amar e amar os outros e sou tagarela a ponto de deixar as pessoas irritadas. E o mais importante de tudo isso é que eu sou feliz!

Talvez isso não tenha muito a ver com a trajetória do blog. Mas tem tudo a ver com a mensagem que eu tento passar aqui em cada texto, seja um poema, uma crônica, um post sobre música ou só eu sendo revoltada com o Maluf. Eu peço a vocês que aceitem-se. Mesmo não conhecendo nem falando direito com a galera que tá do outro lado da tela, posso afirmar com convicção que vocês são pessoas maravilhosas e incríveis do jeitinho que são. Parem de tentar serem diferentes por causa desse sistema corrupto em que vivemos. Só no dia em que vocês aprenderem a se amar é que serão felizes de verdade (digo isso por experiência própria!).

Foto: Lídia Alice
No mais, quero agradecer de coração a quem me acompanhou nesses 3 anos de blog. Obrigada por terem feito essa bagaça crescer, por lerem as minhas palavras, por tentarem me entender, por se identificarem. Obrigada por cada palavra de carinho, por cada elogio, por cada crítica e acima de tudo, obrigada por acreditarem em mim! A profissão que eu escolhi é uma das mais complicadas no mercado de trabalho, mas é a minha paixão. Só o fato de vocês dizerem que eu escrevo bem já me faz acreditar que eu tô fazendo a coisa certa. Obrigada aos que disseram até terem se emocionado com os meus textos e por terem dito que eu tenho mais que vocação, tenho um dom. Eu tenho definitivamente os amigos, familiares, professores e fãs mais fofos e gatchenhos do universo. MUITO OBRIGADA!



De todos os loucos do mundo eu quis você
Porque eu tava cansada de ser louca assim sozinha
De todos os loucos do mundo eu quis você
Porque a sua loucura parece um pouco com a minha
Que vocês possam ser meus loucos favoritos por muitos e muitos anos.

E que, através dos meus textos, o mundo possa se tornar um pouquinho mais colorido a cada dia.

Amo vocês.

Pronto.

Já posso voltar a falar mal do Maluf?

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Nostalgiando #1

Banoite gente! Todos bem? Tô por aqui estudando loucamente e me preparando psicologicamente para os vestibulares (e pro dinheiro que eu vou gastar com as inscrições :'()

Hoje, indo pro trabalho, tive uma ideia de uma série de posts aqui pro blog. Me inspirei no Nostalgia, um dos meus canais favoritos do Youtube, onde o Fê Castanhari e o Fábio Pereira fazem um trabalho super legal, com vídeos que falam de coisas muuuito nostálgicas da nossa infância. Recomendo muito, acessem lá e chorem de tanta saudade.


Nesses posts especiais, vou tentar falar um pouquinho de tudo que me acompanhou na minha infância/adolescência. Não sei vocês, mas eu amo ficar falando sobre como era bom ser criança. Mas agora chega de blabláblá e vamos ao que interessa: Nostalgiando Músicas!



Pra começar, obviamente não pode faltar a rainha dos baixinhos. É um tanto quanto vergonhoso falar isso, mas sim, eu era muito fã da Xuxa. Tenho uns CDs dela aqui ainda, era minha diva. E ainda que você diga que não gosta/gostava dela, essa música com certeza marcou sua infância.


Também fui muito fã dos irmãos mais gente boa do mundo da música: Sandy e Junior. Minha filha, se você nunca foi apaixonada pelo Junior, você não sabe o que é amor. Tenho o CD das Quatro Estações + fita cassete, afinal o que é imortaaaaaal, não morre no final.


Sim amigos, eu amava KLB. Lembro-me de quando meu pai chegou em casa com o CD deles, foi emoção pura. PS.: o meu namorido era o Bruno, tira o zóio!

Conforme fui crescendo, meu gosto musical foi mudando. Fui uma pré-adolescente/adolescente revoltada com o sertanejo/pagode/afins que minha família tanto amava e, influenciada pela minha prima, comecei a gostar de rock.


Detonautas me lembra um trauma muito grande que eu tenho em relação às aulas de ballet que eu fazia (qualquer dia conto essa história pra vocês), mas eu era e sempre serei apaixonada por essa música *0*


Avril Lavigne (vulgo, a mulher que não envelhece) fez parte da minha infância. Foi uma das primeiras cantoras internacionais que eu gostei. A atitude dela de ser diferente das meninas chatas e que amavam rosa me inspirava muito.


Charlie Brown Jr. Ai mano, que saudade! Cresci ouvindo as músicas deles, era demais. Tenho lembranças muito boas de todas as fases da minha vida com essa banda. Era o único grupo que tocava no rádio da perua escolar que fazia todo mundo cantar junto, mesmo as pessoas tendo gostos tão diferentes. Chorão e Champignon eternos sz


Fall Out Boy era o amor da minha vida. Eu era MUITO apaixonada por essa banda! Foram as primeiras músicas em inglês que eu aprendi a cantar de verdade. Assistir MTV era uma felicidade porque eu sabia que os clipes deles iam passar. Lembro de como eu e a minha prima éramos apaixonadas pelo Pete Wentz e de como eu fiquei triste quando eles entraram naquele hiato que durou alguns séculos.


Ah, CPM 22! Essa foi uma das bandas que mais me marcou! Mano, eu amava demais esses caras, as músicas deles eram fantásticas! Eu curtia demais, tenho lembranças ótimas relacionadas a eles. Até me emociono. Ainda sinto borboletas no estômago quando ouço suas músicas. Quando o Chorão morreu e eu fiquei super mal, só conseguia pensar "mano, e se o Badauí morrer????". Será um dia extremamente triste pra mim. Espero que esteja muuuuuuito infinitamente longe, amém.

Me tornei adolescente e passei a ouvir um rock mais emotivo. Sim amiguinhos, eu já fui emo, o choro é livre.


NX Zero nunca foi uma das minhas bandas favoritas, mas mesmo assim me marcou pra caramba. Fiz muitos amigos simplesmente por gostarmos das músicas deles. Que atire a primeira pedra quem nunca  colocou entre razões e emoções, a saída é fazer valer a pena como legenda de foto no Orkut.


Fresno! Tenho muitas histórias pra contar. O tanto de loucura que eu já fiz por esses caras... ai God, eu era muito retardada mesmo. Pra vocês terem um ideia do quanto eu era fã: nos meus álbuns de foto do Orkut, tinha um álbum só pras bandas que eu gostava e nele tinha uma foto do Fresno. Mas isso não era suficiente. Além desse, tinha um só pra Fresno e um exclusivo pra cada integrante, praticamente lotados e atualizados semanalmente. Meu nome no Fotolog, Orkut, Twitter, MSN e afins era Mary Fresnética. Eu já chorei por causa dos integrantes e o Tavares (ex-baixista) foi a minha primeira paixão platônica de verdade. Modéstia a parte, ninguém era mais informado sobre a banda do que eu. Eu sabia de cada passo dos caras. De repente eu parei de ouvir porque as músicas estavam me fazendo mal (depressão e talz) e hoje não curto mais. É estranho pensar no quanto eu gostava. Mas fez parte de mim e aprendi muita coisa nessa fase.


E pra finalizar, uma banda mais pesadinha: Gloria. Lembro que eu meio que tinha uma rixa com o pessoal da escola que curtia Cine e Restart. Era apaixonada por eles. Uma das coisas mais loucas que eu já fiz foi decorar, em menos de 1 semana, todas (eu disse T-O-D-A-S) as músicas (que não eram poucas, pelo menos umas 30) porque eu ia no show. Eu passei todas as tardes no Youtube e no Vagalume aprendendo. Além disso, essa foi a primeira banda que eu stalkei pra valer, acompanhava tudo que eu podia (saudades desses tempos de Twitter).

Bem, tentei resumir minha vida musical nesse "pequeno" post. Claro que eu gostei de muitas mais músicas e bandas, mas coloquei aqui o que mais me marcou. Também ouvi muito: Pitty, Green Day, Strike, Paramore, Simple Plan, My Chemical Romance, Cássia Eller, Evanescence e até Kiss. Hoje meu gosto foi pra uma direção que eu jamais imaginei que iria chegar. Estou numa vibe MPB, Bossa Nova e Indie (quem me chamar de hipster vai levar tapa, tô nem vendo). É engraçado ver como um gosto musical pode mudar tanto em apenas 18 anos.

E vocês? Se identificaram? Alguma banda ou música marcou muito a vida de vocês? Comentem :-)

Quem curtiu a ideia de fazer posts nostálgicos levanta a mão \õ/ Acalmem seus corações, logo mais outros virão.

Por hoje é só. Beijoo ;*

sexta-feira, 13 de junho de 2014

O maravilhoso mundo da hipocrisia

Constatações sobre o 1º dia da Copa do Mundo no Brasil.


Para alegria de alguns e tristeza de outros, a profecia #VaiTerCopaSim se confirmou. A copa começou minha gente!

E eu tenho certeza que você está feliz. Não adianta falar que não, você é brasileiro e ainda que odeie futebol, adora aquela energia e vibração que a copa sempre traz pro nosso território verde e amarelo. Certo?

De verdade, eu não sei mais o que é certo e errado nesse país. Já faz algum tempo que tudo de repente parou de fazer sentido por aqui. Por que eu digo isso? Te explico.

Até alguns dias atrás, ocorriam no Brasil inteiro protestos contra a copa do mundo. Gente pedindo hospitais e escolas padrão Fifa, xingando o Ronaldo, falando mal da Globo e queimando bandeiras do país. Lindo.

E ontem, à partir das 17h, todo o sentimento de revolta contra a copa se esvaiu com a música da Claudia Leite. De repente a copa era linda, o Brasil é o melhor lugar do mundo, amamos nosso país, #verdeeamarelo, Neymar é o nosso herói. Não, pera.

Coerência? Cadê?

Não sei. Não sei mesmo.

Ah, mas então não pode torcer pro Brasil? O que isso tem a ver com política? Afinal, já gastaram o dinheiro mesmo, vamos curtir e mostrar pros gringos que somos uma nação daorinha.

É aí que você se engana. E é essa atitude de brasileiro bobão e conformado que a gente toma toda vez que vai votar ou assiste ao Jornal Nacional.

De verdade? Não tenho nada contra a copa do mundo, nem contra torcer pra seleção. Eu amo futebol e esse campeonato é maravilhoso. É impressionante como um esporte consegue unir tanta gente que não tem nada em comum.

MÃÃÃÃS, isso não significa que eu apoie a copa ser feita no Brasil, ou o dinheiro que podia ser investido em escolas, mas que tá lá no estádio em Manaus (onde nem tem time de futebol, só pra constar).

Porém, isso nem é o mais revoltante. Revoltante mesmo é ver um monte de gente que até quarta-feira odiava o Brasil, ai o Brasil é o pior lugar do mundo, não vejo a hora de ir pros EUA, aqui só tem corrupto, odeio bolsa-família, aqui só tem gente desonesta, violência, bandidagem mimimi, cantando o hino nacional lá no estádio. Gostaria de lembrá-los que o hino não é a música da "Seleção Brasileira Futebol Clube", mas é um louvor a pátria, a nossa nação que vocês tanto odiavam.

Então quer dizer que você só é brasileiro na copa do mundo?

Quer algo mais legal que isso? Sabe os índios? Aqueeeeeles índios que o governo não protege, não defende, não dá terras para eles morarem porque os fazendeiros dão dinheiro e eles não? Pois é, esses mesmos índios foram homenageados na abertura do evento.

Ah, e sabe aquele blábláblá todo de "por causa da copa, os comerciantes vão poder aprender inglês para atender os turistas"? Bem, ouvindo a nossa amada rede Esgoto de Televisão hoje de manhã (minha mãe assiste e acabei ouvindo, sorry), a jornalista que entrevistava os vendedores do Mercado Municipal de São Paulo fez a seguinte pergunta:

"- E como vocês estão fazendo para atender os clientes estrangeiros sem saber falar inglês?
 - Ah, a gente dá um jeitinho. Faz mímica, aponta no cardápio."

UÉ? E O INGLÊS QUE ELES TINHAM QUE APRENDER? Ah sim, esqueci que apenas as mulheres vítimas do tráfico sexual é que tinham que saber falar outras línguas.

Além de tudo, ainda temos que conviver com uma polícia nojenta e escrota que, vejam só, atira spray de pimenta nos olhos de um manifestante que já estava muito bem imobilizado e que precisa atirar balas de borracha em funcionários do metrô num momento em que ninguém estava usando o transporte, já que era madrugada. Direitos humanos? Que nada, aqui é BR!

E não podia faltar os coxinhas fazendo coxinhagens na Internet, postando coisas como "Podem parar de criticar, o jogo já começou". Quer dizer que além de ter que me conformar com os milhões de reais gastos em estádios inúteis, eu não posso nem mais dar minha opinião na minha própria rede social?
 
O melhor dessa história? Você, amigo brasileiro, tá pouco se lixando pra tudo isso. Afinal, é Copa do Mundo!

Sejam bem vindos ao maravilhoso mundo da hipocrisia! Um lugar onde você pode odiar o seu país, mas canta o hino nacional. Um lugar onde você poder ser contra o aborto, mas ser a favor da pena de morte. Um lugar onde você mete o pau nas novelas e no BBB, mas não troca de canal. Um lugar onde você reclama do metrô, mas continua votando no Alckmin. Um lugar onde você diz não ser preconceituoso, mas é contra o bolsa-família. Um lugar onde você paga de esquerdista, mas lê a Veja e compartilha nas redes sociais. Dirija com cuidado e aproveite a viagem!